IOEB Revela Casos de Sucesso na Gestão da Educação

06 de Dezembro de 2017 | Notícias

O Índice de Oportunidades da Educação Brasileira (IOEB) de 2017 revela municípios que conseguiram criar soluções de sucesso para a educação e contribuíram para o desenvolvimento local. A partir do mapeamento de desafios e do monitoramento de indicadores de resultados, alguns casos alcançaram destaque no índice, revelando a atuação em diferentes áreas para enfrentar os desafios da gestão educacional.

 

Ceara

O estado do Ceará, que tem o maior número de municípios (7) entre os 10 primeiros colocados, continua encabeçando a lista com o município de Sobral. Com a nota geral de 6.2 a cidade tem baixas médias de reprovação em comparação à média nacional, mesmo não adotando uma política de progressão continuada, e dá autonomia às escolas para organizar sua gestão e seus sistemas de avaliação. O Secretário de Educação de Sobral atribui sucesso à avaliação externa de profissionais e da escola, fazendo premiações em um sistema de metas, além da criação de um fundo que repassa recursos diretamente às escolas, e do investimento em gestão em formação de pessoas, especialmente professores e diretores.

 

Outros estados

O município de Rio Verde, em Goiás, coloca a melhoria da aprendizagem dos alunos como um de seus principais objetivos, e alcançou a nota de 5.3 no IOEB 2017. Um os fatores importantes para alcançar esse resultado foi a colaboração dos professores na criação de um diagnóstico individual dos estudantes para o acompanhamento, compartilhando essas informações com a Secretaria da Educação para o monitoramento e a evolução de cada caso. As escolas também oferecem uma estrutura de reforço paralelo, atendimento de professores e orientadores em turnos, e atendimento especializado pra crianças com necessidades especiais. Vale destacar que o município também faz parcerias com o governo estadual e com a Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) para os alunos da educação infantil e do ensino fundamental através do projeto AABB Comunidade.

Em São Paulo, o município de Junqueirópolis manteve a média de 5.6 a partir de alguns fatores que a Secretaria de Educação considera essenciais: poucos alunos por sala de aula, a formação continuada dos professores, parcerias para o fornecimento de material pedagógico, acompanhamento de alunos com necessidades especiais e escolas com ótima infraestrutura. O município também trabalha com progressão continuada em ciclos para diminuir a distorção idade-série, e tem convênios com instituições privadas para oferecer atendimento aos alunos da educação infantil.

Um exemplo de avanço significativo no IOEB foi o município de Alpestre, no Rio Grande do Sul, que subiu de 4.9 em 2015 para 5.4 em 2017. Os avanços que aumentaram a média foram possíveis por conta de ações envolvendo as escolas, o governo e a comunidade, como: a Rede de Apoio à Escola (RAE), o Programa Primeira Infância Melhor (PIM), o programa Mais Educação, e ações de inclusão dos alunos com necessidades especiais.

 

O estudo

O IOEB identifica quanto cada cidade ou estado contribui para o sucesso e o desenvolvimento educacional de seus moradores ao calcular de forma conjunta o desempenho e comportamento de todas as redes educacionais (estadual, municipal e da rede privada). O cômputo inclui as crianças e adolescentes que deveriam estar na escola e não estão, responsabilizando de forma inédita municípios e estados por todas as crianças e adolescentes que vivem naquela localidade.

O estudo se constitui numa ferramenta para incentivar e cobrar dos governantes e gestores públicos a trabalhar em conjunto pela melhoria da qualidade da educação dos municípios e estados.